Ficção

Contos e Crônicas

Heloísa

– por Matheus Bensabat

Quando Heloísa completou a última volta na coroa, percebeu que a filha se encaminhava para a sala. Deixou o bastidor sobre a mesa e guardou os carretéis na caixa de costura, mirando-a. Amanda dirigiu-lhe um olhar pesaroso e culpado, desviando-o em seguida, encostando as costas no batente da porta. As olheiras destacavam-se no rosto alvo, e os passos, curtos e cadenciados, mostravam-na acuada. A mãe deteve-se, primeiro, nos machucados da mão, que ela não conseguira ocultar, e pelo olhar da filha, entendeu tudo. Heloísa começava a sofrer.

Leia mais »
Contos e Crônicas

Maria – por Andre Klojda

– por Andre Klojda

“Aproximava-se o horário do fim do expediente, e Maria ainda não conseguira parar um momento sequer naquele dia: “Venha aqui”, “Vá acolá”, “Ajude-me um instante!”, suas colegas pediam. Com comovente solicitude, sem palavra agressiva ou mau pensamento, Maria atendia a cada uma.”

Leia mais »
Contos e Crônicas

A casa, o sal

– por Juliana Amato

“Não é possível saber a expressão de ambos sem chegar mais perto, e então vê-se a mulher em silêncio e lábios semicerrados, e o homem em silêncio e lábios semicerrados. Sem palavras, só o som assoviado do vento. O homem e a mulher caminham juntos em direção à casa, como se tivessem saído do mar,

Leia mais »
Contos e Crônicas

Memórias da casa nova — até que seja a sua casa

-por Juliana Amato

“Até que isso aconteça, que a casa se acostume com a sua presença, ela também dá os seus sinais de insatisfação: vaza a pia da cozinha, a porta de correr emperra, o chuveiro queima, o seu cotovelo bate naquela quina da qual ainda não desvia intuitivamente,”

Leia mais »
Contos e Crônicas

Janeiro

-por Matheus Bensabat

“Os diuréticos e o anticoagulante mantinham-no estável, mas comprometiam, silenciosamente, o fígado e os rins, de modo que comia tão somente um pedaço de pão pela manhã com uma fina camada de manteiga. Desde a infância, umedecia-o numa caneca com café com leite.”

Leia mais »
Contos e Crônicas

Paralelos de Sofia – por Andre Klojda

“Não a amo. Nunca a amei, durante todo esse tempo, e estou convicto de que não posso amá-la, sob qualquer condição que seja. Não é essa a relação que estamos destinados a manter. Somos, os dois, presa e predador um do outro; talvez por isso eu enxergue tão nitidamente, indissociáveis, sua ferocidade e sua doçura.”

Leia mais »